Anuncie aqui topo
Anuncie aqui topo
Desastre Chapecoense

PF prende controladora boliviana investigada por desastre aéreo da Chapecoense; STF determina extradição

A ordem de prisão foi assinada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes. Para a Justiça Boliviana, Celia Castedo Monasterio era foragida.

24/09/2021 07h00
Por: Redação

A Polícia Federal (PF) prendeu Celia Castedo Monasterio, a controladora responsável pela análise e aprovação do plano de voo da aeronave envolvida no desastre da Chapecoense, em 2016. A decisão foi dada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, nesta quinta-feira (23), que determinou a extradição da investigada.

Na sentença assinada por Gilmar Mendes, Celia é "procurada pela Justiça Boliviana para responder pela suposta prática do crime de atentado contra a segurança do espaço aéreo".

Celia foi responsável pela análise e aprovação do plano de voo do avião que caiu perto do aeroporto internacional José Maria Cordova, próximo à Medellin, na Colômbia. Ao todo, 71 pessoas morreram na tragédia que levava a delegação da Chapecoense e jornalistas para a final da Copa Sul-Americana de 2016.

LEIA MAIS

Avião com equipe da Chapecoense cai na Colômbia e deixa mortos

Mulher que assinou plano de voo de avião da Chapecoense alega ameaças e renova refúgio no Brasil

Funcionária de aeroporto boliviano diz ter alertado LaMia de que combustível era insuficiente

Na ocasião, Celia teria deixado, de forma fraudulenta, de observar procedimentos mínimos para aprovação do plano de voo da aeronave. Desde 2016, Celia era refugiada no Brasil e vivia em Corumbá, normalmente. A controladora chegou a ter o pedido de refúgio renovado. Celia usou como argumento para o pedido de refúgio "perseguição" na Bolívia, após as declarações sobre o acidente.

O plano de voo do avião da Lamia, assinado por Celia, que transportava o time da Chapecoense, mostrou que o piloto decolou da Bolívia para a Colômbia sem combustível suficiente para enfrentar qualquer imprevisto.

A Polícia Federal disse que Celia permanecerá reclusa em Corumbá, onde aguardará os trâmites legais para que seja entregue as autoridades bolivianas.

A defesa da controladora disse que "está tomando ciência sobre o pedido de extradição para saber qual medida tomar para garantir a permanência dela no Brasil".

O acidente

A Polícia Federal (PF) prendeu Celia Castedo Monasterio, a controladora responsável pela análise e aprovação do plano de voo da aeronave envolvida no desastre da Chapecoense, em 2016. A decisão foi dada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, nesta quinta-feira (23), que determinou a extradição da investigada.

Na sentença assinada por Gilmar Mendes, Celia é "procurada pela Justiça Boliviana para responder pela suposta prática do crime de atentado contra a segurança do espaço aéreo".

Celia foi responsável pela análise e aprovação do plano de voo do avião que caiu perto do aeroporto internacional José Maria Cordova, próximo à Medellin, na Colômbia. Ao todo, 71 pessoas morreram na tragédia que levava a delegação da Chapecoense e jornalistas para a final da Copa Sul-Americana de 2016.

LEIA MAIS

Avião com equipe da Chapecoense cai na Colômbia e deixa mortos

Mulher que assinou plano de voo de avião da Chapecoense alega ameaças e renova refúgio no Brasil

Funcionária de aeroporto boliviano diz ter alertado LaMia de que combustível era insuficiente

Na ocasião, Celia teria deixado, de forma fraudulenta, de observar procedimentos mínimos para aprovação do plano de voo da aeronave. Desde 2016, Celia era refugiada no Brasil e vivia em Corumbá, normalmente. A controladora chegou a ter o pedido de refúgio renovado. Celia usou como argumento para o pedido de refúgio "perseguição" na Bolívia, após as declarações sobre o acidente.

O plano de voo do avião da Lamia, assinado por Celia, que transportava o time da Chapecoense, mostrou que o piloto decolou da Bolívia para a Colômbia sem combustível suficiente para enfrentar qualquer imprevisto.

A Polícia Federal disse que Celia permanecerá reclusa em Corumbá, onde aguardará os trâmites legais para que seja entregue as autoridades bolivianas.

A defesa da controladora disse que "está tomando ciência sobre o pedido de extradição para saber qual medida tomar para garantir a permanência dela no Brasil".

Fonte: G1 MS

 

 

Fonte: G1 MS

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários