Anuncie aqui topo
Anuncie aqui topo
Semeadura Soja

MAPA publica nova portaria e mantem período de semeadura da soja até 31 de dezembro em MS

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), publicou nesta segunda-feira uma portaria contendo as datas de semeadura de soja em t...

13/09/2021 17h00Atualizado há 2 semanas
Por: Redação
Fonte: Secom Mato Grosso do Sul
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), publicou nesta segunda-feira uma portaria contendo as datas de semeadura de soja em todo País, confirmando que em Mato Grosso do Sul o período de plantio da leguminosa permanece de 16 de setembro a 31 de dezembro de 2021.

Segundo explicou o secretário Jaime Verruck, titular da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), a portaria número 394, do dia 10 de setembro de 2021, reafirma a data que já havia sido confirmada pelo Estado desde que o Ministério solicitou a manifestação ainda em meados do mês de julho.

“Na época o diretor-presidente da Iagro, Daniel Ingold, foi quem respondeu a demanda do MAPA, reiterando o interesse de Mato Grosso do Sul em não alterar a data de semeadura da soja no Estado”, disse o secretário.

Contudo, no último dia 1º de setembro, uma publicação trazia nova data, com prazo maior para plantio da soja em Mato Grosso do Sul. “A informação foi recebida com surpresa por todos nós”, afirmou Verruck.

“Felizmente, dada a boa relação entre as instituições, formulamos um oficio que esclareceu nosso posicionamento e fomos prontamente atendidos pelo Ministério, com a publicação que altera a data de semeadura da soja no Estado”. 

Clique aqui e confira a publicação da portaria, na integra.

finte: Semagro

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários