Anuncie aqui topo
Anuncie aqui topo
Anuncie aqui topo
Saúde

Voluntários começam a receber vacina BCG contra a Covid em MS: 'Acredito na ciência', diz enfermeiro

Expectativa é que ao menos 15 profissionais da saúde sejam imunizados, nesta segunda-feira (19).

20/10/2020 04h16
Por: Redação
Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa

Voluntários começaram a receber as doses da vacina BCG contra a Covid-19, em Campo Grande. A expectativa é que ao menos 15 profissionais da saúde sejam imunizados.

O enfermeiro Everton Ferreira foi o primeiro a receber a dose. "Acredito na ciência. Trabalho com a ciência, pesquiso e acredito muito no impacto que a ciência pode fazer com a nossa sociedade...estou consciente de que posso estar colaborando de uma forma muito positiva com os resultados", afirmou.

O acordo para a vacina BCG foi assinado no dia 7 de outubro deste ano, com 2 mil voluntários, entre 18 anos e 59 anos. A exceção só é válida para quem já teve coronavírus, não podendo participar da pesquisa.

Disponível no Sistema Único de Saúde (SUS), a vacina BCG é obrigatória no Brasil para recém-nascidos desde 1976. Porém, ainda conforme a Secretaria de Estado de Saúde (SES), pode ser tomada até os quatro anos de idade. O imunizante protege crianças de até cinco anos de idade das formas mais graves da tuberculose.

Outra vacina

Há 4 dias, a SES assinou o termo de cooperação técnica para testar a vacina Coronavac e, segundo o secretário Geraldo Resende, é importante incluir o estado e, desta forma, contribuir para que se encontre uma vacina o mais rápido possível para a população.

A vacina Coronavac será testada em um grupo de mil voluntários, sendo todos eles profissionais de saúde. Para poder se candidatar, é necessário ter entre 18 anos e 59 anos, não ter comorbidades e atuar em locais onde tenha a circulação do novo coronavírus. Caso tenha os requisitos, é só acessar a página do Instituto Butantã, clique aqui!

Conforme a SES, este é o segundo termo de cooperação firmado para estudos de testes de vacinas contra a Covid-19. Neste caso, o estudo da Coronavac é uma parceria do Instituto Butantã e o laboratório Sinovac, onde atuam os pesquisadores Rivaldo Venâncio e Ana Lúcia Lyrio.

Fonte: G1

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários